• Belemitas

Deus, por que comigo?



Sejamos sinceros, todos temos um lugar à mesa daqueles que já perguntaram o porquê de algo para Deus. Seja por uma porta que não se abriu; um sonho que não se concretizou; uma perda inesperada; uma enfermidade indesejada; passagem por momentos de profunda solidão e tristeza…


Na Bíblia, há diversos exemplos de pessoas que estavam passando por momentos difíceis e, com corações aflitos, perguntavam a Deus: por que estou vivendo tudo isso? Normalmente, o primeiro personagem que nos lembramos é Jó. Vemos em Jó 1:8 o próprio Deus dizendo que no mundo inteiro não havia ninguém tão bom e honesto como ele. Após Deus permitir que o Diabo fizesse o que ele queria com tudo o que Jó possuía (Jó 1:12) e que tocasse no corpo dele com uma enfermidade horrível (Jó 2:4-7), surgem alguns questionamentos:


“'Ó Deus, por que me deixaste nascer? Eu deveria ter morrido antes mesmo que alguém me visse. Eu teria ido do ventre da minha mãe para a sepultura, teria sido como se nunca tivesse existido. A minha vida está chegando ao fim. Então me deixa em paz! Deixa que eu tenha um pouco de alegria'” Jó 10:18-20, NTLH

É interessante notar que as palavras acima não provém de alguém que estava completamente revoltado contra Deus, afinal, pouco tempo antes, logo após Jó receber a notícia de que os seus dez filhos acabaram de morrer inesperadamente, ele orou assim: “Aí disse assim: — Nasci nu, sem nada, e sem nada vou morrer. O Senhor deu, o Senhor tirou; louvado seja o seu nome!” (Jó 1:21, NTLH). Esta ação se repete quando ele é acometido de feridas em todo o seu corpo e se assenta em meio a cinzas, raspando a pele com um caco de cerâmica: “Sua esposa lhe disse: “Você ainda tenta manter sua integridade? Amaldiçoe a Deus e morra!”. Jó respondeu: “Você fala como uma mulher insensata. Aceitaremos da mão de Deus apenas as coisas boas e nunca o mal?”. Em tudo isso, Jó não pecou com seus lábios.” (Jó 2:9-10, NVT). Desse modo, podemos notar em Jó um coração que reconhece a soberania de Deus e aceita a Sua boa, agradável e perfeita vontade; porém, também podemos notar um coração humilde, capaz de perguntar: por quê?


Quando estamos passando por momentos de escuridão, ficamos diante de um dilema: será que o Senhor realmente se importa com o que está acontecendo conosco? Sabemos que Ele é soberano e que nenhum dos seus planos pode ser impedido (Jó 42:2); também sabemos que não podemos desafiá-lo ou questionar os Seus motivos com um coração orgulhoso e demasiadamente elevado. Quando Deus começa a falar com Jó, Ele deixa isso bem claro: “Será que a sua força pode ser comparada com a minha? Será que você pode trovejar com voz tão forte como eu? Se você pode, então vista-se de glória e grandeza e enfeite-se com majestade e esplendor.” (Jó 40:9-10).


Contudo, o Senhor todo-poderoso é também aquele que se importa com cada mínimo detalhe de nossas vidas, até mesmo com as nossas dores e dúvidas. “Tu estás lá nas alturas, mas assim mesmo te interessas pelos humildes.” (Salmos 138:6a, NTLH). Sei que, geralmente, não questionamos os motivos pelos quais coisas boas acontecem. Assim, os momentos de sofrimento e dor são os mais propícios a questionamentos. Se você tem uma lista de “porquês” ainda não respondidos, quero convidá-lo a considerar três pontos importantes em relação a vivência de tempos de sofrimento.


1. Os dias difíceis sempre virão.


Vivemos em um mundo decaído e que está constantemente se rebelando contra Deus. Originalmente, não fomos criados para conhecer o mal, somente o bem. Entretanto, o pecado cometido pelo ser humano fez com que o mundo não fosse mais um lugar de paz, mas se tornasse um território perigoso ocupado pelo inimigo. O Evangelho não negocia nada conosco, ele nos mostra a realidade - “No mundo vocês vão sofrer” (João 16:33).


2. Podemos achar que Deus está ausente.


Não somos os primeiros a achar isso, alguns salmistas também pensaram que Deus estava ausente nos seus momentos de dor. O Salmo 39 e o Salmo 88 acabam de um modo peculiar. Normalmente, os Salmos terminam com uma mensagem de esperança ou confiança no Senhor, mas esses não. Vejamos os últimos versículos do Salmos 39 e do 88, respectivamente:


“Desvia de mim o teu olhar, para que eu possa ter um pouco de felicidade, antes que eu vá embora e não exista mais.” (Salmos 39:13, NTLH)
“Tiraste de mim meus companheiros e pessoas queridas; a escuridão é a minha amiga mais chegada.” (Salmos 88:18, NVT)

Uau! O salmista diz que a escuridão é a sua amiga mais chegada. Você consegue se reconhecer nesses versículos? Sempre temos a tendência de enxergar a vida através do sofrimento. O sentimento do salmista é real - há momentos onde parece que não conseguiremos avançar em meio às dificuldades!


Deus sabe como nos sentimos em dias difíceis; Ele também sabe que não resistiríamos se estivéssemos sozinhos, e é por isso que Ele próprio enfrentou o total abandono, para que nós não o enfrentássemos. As últimas palavras de Jesus na cruz foram: “...Jesus gritou bem alto: — “Eli, Eli, lemá sabactani?” Essas palavras querem dizer: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” (Mateus 27:46, NTLH). Jesus de fato teve a escuridão como a sua principal amiga, ele enfrentou o sofrimento sozinho - todos, até mesmo Deus (momentaneamente), se separaram dele. Que verdade maravilhosa! Ele levou sobre si os nossos sofrimentos e nós não estamos sozinhos. Nunca choramos sozinhos e todas as nossas orações são escutadas bem de perto. “E lembrem disto: eu estou com vocês todos os dias, até o fim dos tempos.” (Mateus 28:20b, NTLH).


3. O sofrimento é um chamado à dependência.


“É fácil dizer que você acredita que uma corda seja forte e segura, enquanto a está usando apenas para amarrar uma caixa; mas imagine que deva dependurar-se nessa corda sobre um precipício. Será que não iria primeiro descobrir o quanto na verdade confia nela?” A Anatomia de uma dor - C.S. Lewis

É incrível como nos sentimos vulneráveis quando estamos sofrendo. Onde achar esperança quando a única solução é um milagre?! Timothy Keller diz uma frase interessantíssima sobre isso: “Você não percebe que Jesus é tudo o que você precisa até Jesus ser tudo o que você tem.”.


Quando Deus responde aos questionamentos de Jó, Ele fez o seu pronunciamento mais longo e ininterrupto registrado na Bíblia (cáps. 38-41). Lendo esses capítulos, vemos que Deus não explicou a Jó os motivos do seu sofrimento, mas disse que Ele era Deus e tinha poder para fazer tudo o que quiser, e esta era a resposta que Jó necessitava receber para as suas perguntas.


Em meio ao sofrimento, não podemos parar de correr em direção ao Senhor, Ele honrará o coração aflito que o busca. No final do livro de Jó, Deus diz aos amigos dele que eles não haviam falado a verdade ao Seu respeito, ao contrário de Jó, que foi verdadeiro em todo tempo. Podemos nos indagar: “Pera lá! Como assim Jó foi verdadeiro? Como assim honrou a Deus? Ele chegou a pedir para que o Senhor o deixasse em paz!”. A resposta é simples: Jó não estava jogando suas palavras ao vento ou murmurando, ele estava orando! Ele estava provando que, ao invés de amar a si mesmo e abandonar a Deus - como o Diabo disse que ele faria -, o Senhor era o suficiente e ele continuaria se relacionando com Ele!


Sinto-me feliz em terminar este texto compartilhando com você a certeza de que não conhecemos todas as respostas, mas nós conhecemos Aquele que as conhece e que sabe quais verdadeiramente precisamos saber e quais não. Os três tópicos acima mostram que o sofrimento não precisa ser um ponto final ou um vale sem saída, mas pode se tornar um momento de muito aprendizado e proximidade com Deus. Que a dor das mais diversas circunstâncias não nos impeça de continuar vivendo uma vida de adoração e não nos tire a certeza de que essa pequena e passageira aflição que sofremos vai nos trazer uma glória enorme e eterna, muito maior do que o sofrimento (2 Coríntios 4:17, NTLH).


Quero convidá-lo a fazer uma oração e depois escutar e meditar na letra do louvor “Though You Slay Me” (Ainda que você me mate), que foi escrito por Shane Barnard, após a morte prematura de seu pai.


“Senhor, sou grato a ti pela nova vida que tenho em Cristo. Sou grato pela certeza que o Senhor sente exatamente a mesma dor que eu sinto neste momento de sofrimento e que Tu jamais me abandonará. Humildemente, apresento diante de ti as minhas dúvidas e questionamentos, dei-me as respostas que quiseres. Confio no teu querer e sei que o meu sofrimento não é sem significado; o Senhor é tudo o que eu preciso e a paz que tenho em Ti é incomparável. Ajude-me a depender do Seu amor e aprender com esses dias de sofrimento para que eu possa auxiliar outras pessoas que viverem as mesmas coisas. No nome de Jesus eu faço essa oração. Amém!”


Louvor Though You Slay Me (Ainda que você me mate): https://www.youtube.com/watch?v=tUm7raYtduQ - Legendas disponíveis em português.