• Belemitas

O Convite do Natal

Atualizado: 26 de Abr de 2019



Um decreto estabelecido pelo imperador romano César Augusto fez com que José retornasse à sua cidade natal (Belém) a fim de que participasse do alistamento solicitado pelo imperador. Imagine a cena da viagem que teve origem em Nazaré e terminou na cidade de Belém: José caminhava com Maria, sua esposa, que estava grávida. Eles enfrentaram um caminho que em alguns momentos era repleto de paisagens agradáveis, já em outros era cheio de montanhas e lugares sinuosos, como na província de Samaria. Após realizarem a jornada, os nossos humildes viajantes já estavam em Belém, quando, de repente…


“e aconteceu que, enquanto se achavam em Belém, chegou o tempo de a criança nascer.” ‭‭Lucas‬ ‭2:6‬

O menino nasceu!! Mas onde eles o abrigariam, já que a cidade estava cheia de pessoas que vieram para o alistamento e não havia lugar para eles na estalagem? Havia somente um lugar para eles: o estábulo. Sendo assim, Maria envolveu o garotinho em panos e, cuidadosamente, o deitou em uma manjedoura. Convenhamos que este não é o tipo de nascimento que esperamos para o herdeiro de um trono ou alguém que descende de uma família muito importante, não é mesmo? Então, quem é este menino cujo nascimento foi anunciado por anjos? Cuja vida foi adorada por magos vindos do Oriente e que o presentearam com honrarias reais?


“Mas, quando chegou o tempo certo, Deus enviou o seu próprio Filho, que veio como filho de mãe humana e viveu debaixo da lei para libertar os que estavam debaixo da lei, a fim de que nós pudéssemos nos tornar filhos de Deus.” Gálatas 4:4-5

Há tanto tempo a humanidade estava esperando o dia em que o seu Salvador nasceria. A criança que nasceu de forma tão humilde é o mesmo descrito por Isaías em uma profecia: “Pois já nasceu uma criança, Deus nos mandou um menino que será o nosso rei. Ele será chamado de “Conselheiro Maravilhoso”, “Deus Poderoso”, “Pai Eterno”, “Príncipe da Paz”.” Isaías 9:6.


Antes mesmo de o menino nascer, um anjo do Senhor disse a José que o nome do seu filho seria Jesus, e que existia uma missão que somente ele poderia cumprir: salvar o seu povo dos seus pecados (Lucas 2:21). O nome Jesus significa “Yahweh Salva”, o que descreve o que Jesus faz. Em outra passagem bíblica (Isaías 7:14), Isaías diz que o seu nome seria Emanuel (“Deus conosco”), descrevendo o que Jesus é.


Você certamente conhece os próximos capítulos da história da vida de Jesus - como foi a sua adolescência, juventude, batismo, ministério e morte sacrificial para nos redimir e justificar. Porém, fiquemos aqui, ainda próximos à manjedoura escutando o sono tranquilo do menino e pensemos: não é incrível o fato de que Jesus veio, voluntariamente, viver nas mesmas cidades e ruas que nós e enfrentar tudo aquilo que enfrentamos diariamente?! Não é incrível o fato de que nós merecemos o castigo pelos pecados que cometemos, mas ele veio para pagar toda a nossa dívida com Deus, sendo que, para isso, lhe era necessário entregar a sua própria vida?!


Em Cristo estão presentes a misericórdia e a graça de Deus. Nós não recebemos aquilo que merecemos - o castigo eterno pelos nossos pecados - e, por conseguinte, recebemos o favor concedido por Deus para que pudéssemos nos reconectar a Ele. As palavras de Max Lucado ilustram muito bem isso: “Deus faz o que não podemos fazer, e assim podemos ser o que nem ousamos sonhar: perfeitos diante de Deus.” [1].


O convite do Natal


“E o amor é isto: não fomos nós que amamos a Deus, mas foi ele que nos amou e mandou o seu Filho para que, por meio dele, os nossos pecados fossem perdoados.” 1João 4:10

O Natal é um ótimo momento para nos alegrarmos em sermos tão amados por Deus! Se você ainda não sente esse amor em seu coração, não tenha medo, achegue-se à manjedoura! Você não precisa passar por um segurança e os animais do estábulo não o atrapalharão. Você não precisa vestir uma máscara ou parecer ser outra pessoa - o lugar é aberto para todos. O seu encontro com Jesus mudará tudo em sua vida e, mesmo que nós não o tenhamos visto deitado ali na manjedoura como os Magos viram, estaremos ao seu lado por toda a eternidade no céu!


Feliz Natal!!


-


[1] LUCADO, Max. Nas Garras da Graça, p. 59.