• Belemitas

O coração adorador



Existem diferentes formas de louvar a Deus. Imagino que para Ele deva ser especial identificar a forma como cada filho entra em Sua presença. Diferentes personalidades, culturas e palavreado. Somos influenciados por diferentes situações e vivências quando louvamos ao Senhor. Entretanto, a despeito das diferenças, todos devemos ter algo em comum: o coração adorador. A Bíblia nos indica suas características e, ao longo do texto, poderemos refletir em como está nosso coração diante do Pai.


1 - Um coração que ama a Deus

O coração adorador é um coração que ama a Deus acima de tudo. No livro de Mateus Jesus nos ensina "Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração, de toda a sua alma e de todo o seu entendimento" (Mt 22.37). É um amor pleno, que envolve não apenas sentimentos, mas também a razão. É conhecermos a Deus para amá-lo cada dia mais. E conhecê-lo envolve ler a sua Palavra, orar e buscá-lo em todo o tempo.


2 - Um coração que ama o próximo

Na continuação dos conselhos dados por Jesus discutidos acima, o Mestre diz “E o segundo, semelhante a este (amar a Deus), é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo" (Mt 22.39). Ou seja, de nada adianta amarmos a Deus se não amarmos da mesma forma nossos próximos. E, por próximos, entende-se não apenas nossos amigos, mas também nossos inimigos. A palavra de Deus diz “Portanto, se trouxeres a tua oferta ao altar e aí te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti, deixa ali diante do altar a tua oferta, e vai reconciliar-te primeiro com teu irmão, e depois vem, e apresenta a tua oferta” (‭‭Mt‬ ‭5. 23-24). Que possamos estar em paz com nossos semelhantes todas as vezes que subirmos ao altar para ministrar um louvor!


3 - Um coração quebrantado

Temos na Bíblia o exemplo de um homem que agradou tanto ao Senhor que foi chamado “o homem segundo o coração de Deus”! Apesar de ser um homem com falhas e defeitos como todos nós, Davi tinha um coração adorador. Ele conhecia o Pai, pois desde tenra idade passou por experiências individuais com Deus! E por tanto conhecê-lo pôde afirmar: “os sacrifícios para Deus são o espírito quebrantado; a um coração quebrantado e contrito não desprezarás, ó Deus” (‭‭Sl‬ ‭51:17‬). Essa é uma característica fundamental do coração adorador. Humilharmo-nos diante do pai, sabendo que não somos nada. Somos feitos de barro, e temos que reconhecer isso todas as vezes que nos dirigirmos ao Senhor! Quando ministramos um louvor, é tudo sobre Ele. É tudo para Ele! Nunca é sobre nós ou sobre nossas habilidades. É sempre sobre o Deus todo poderoso que, mesmo sendo grande, olha para nós e recebe nosso louvor! “Porque dele, e por ele, e para ele são todas as coisas; glória, pois, a ele eternamente. Amém” (‭‭Rm 11:36). Quando reconhecemos a grandeza de Deus, reconhecemos nossa pequenez. A partir daí, é possível entendermos que não temos nada a oferecer a Deus a não ser um coração sedento por Ele, que clama por misericórdia! Não somos nada e, se quisermos ser verdadeiros adoradores, temos que enfraquecer nosso eu, quebrantar nosso coração e nos achegarmos ao Senhor! Então, seremos acolhidos pelo Pai!


4 - Um coração que conhece a voz do Pai

E disseram um para o outro: Porventura, não ardia em nós o nosso coração quando, pelo caminho, nos falava e quando nos abria as Escrituras?” (‭‭Lc‭ 24:32‬)‭


Às vezes temos dificuldade em reconhecer a voz do Senhor. Os discípulos que estavam no caminho de Emaús, por exemplo, sentiram o coração arder, porém quando perceberam que era o Mestre, Ele já havia partido! Como está sua intimidade com Deus? Quando Ele fala, você reconhece? Essa intimidade e reconhecimento da voz do Senhor só podem ser alcançadas pela convivência. Na primeira vez que Deus chamou Samuel, o garoto não soube reconhecer Sua voz prontamente! Com a ajuda do sacerdote Eli, Samuel teve sua primeira experiência com o Senhor. Depois disso, não precisou mais que alguém o explicasse, pois já havia ouvido aquela voz uma vez! Como líderes de louvor, precisamos ter experiências pessoais e íntimas com Deus! Reconhecer a voz do Senhor em meio a uma ministração e seguir a direção correta do Espírito Santo só será possível se tivermos uma vida de intimidade. Se temos experiências pessoais em nossos aposentos, então será fácil reconhecer a voz do Pai quando estivermos em meio à multidão! “Mas tu, quando orares, entra no teu aposento e, fechando a tua porta, ora a teu Pai, que vê o que está oculto; e teu Pai, que vê o que está oculto, te recompensará" (Mt‬ ‭6:6).

“Precisamos também adorar nosso Rei naquele lugar secreto, nos momentos de intimidade, individualmente como adoradores de Cristo. Precisamos adorar naqueles momentos que cada um de nós e o Senhor sabem quais são. Se você faz parte de um grupo de louvor, reserve seus momentos mais gloriosos de adoração para longe do palco. Nossos momentos mais preciosos com nosso melhor amigo têm de acontecer em segredo. Guarde isso como ouro e jamais perca." (ZSCHECH, Darlene. Adoração Extragavante, p. 22).


5 - Um coração sincero

Finalmente, um coração adorador deve ser sincero! De nada adianta dizermos lindas palavras e lindos louvores se não vierem de nossa alma.“Portanto, cheguemos perto de Deus com um coração sincero e uma fé firme, com a consciência limpa das nossas culpas e com o corpo lavado com água pura” (Hb 10.22).

Deus procura os verdadeiros adoradores, ou seja, aqueles cujos corações, mentes e lábios o adoram de forma única.


Que o nosso caminhar e respirar sejam a cada segundo para adorar a Deus, buscando todas as características de um coração adorador. Que possamos ser moldados pelo Espírito Santo e agradarmos ao Senhor com todo o nosso ser.