• Belemitas

Você é uma pessoa conectada?



Esses dias eu participei de um retiro em que o tema era “Desconectados”. Isso me fez pensar sobre diversas formas de conexão e como isso pode ser aplicado na nossa vida espiritual.


Nesse retiro, eu comecei a pensar sobre como funciona uma conexão de celular, por exemplo. Não sei se você está utilizando um celular para ler esse texto, mas tenho certeza que você tem um aparelho desses por perto.


Você já imaginou como funciona a conexão com a internet do seu celular através da rede 4G? Você compra um chip, coloca no seu celular, contrata um plano pré ou pós pago com uma empresa de telefonia e pronto! Já está tudo funcionando e habilitado – você já tem uma conexão com a internet disponível em qualquer hora e lugar que você estiver (tudo bem que no Brasil a qualidade dos serviços pode deixar um pouco a desejar, mas vamos assumir como verdade essa disponibilidade em todos os momentos e lugares). De forma geral, conectar-se com a rede 4G é simples e fácil, não exige configurações por parte do usuário e nenhum conhecimento específico sobre o aparelho celular. E essa conexão já é suficiente para você acessar suas redes sociais e consumir conteúdo online como músicas, vídeos, fotos, notícias, etc.


Outro tipo bastante popular de conexão com a internet é a conexão via Wi-fi. Para muitas pessoas esse tipo de serviço é tão intuitivo que nunca pararam para pensar em como ele funciona. Mas é importante lembrar que para disponibilizar um sinal de Wi-fi é necessário um aparelho que converta o sinal recebido através da rede cabeada para a rede sem fios (modem, por exemplo) e o usuário precisa configurar essa conexão no seu celular para o primeiro acesso. Além disso, a conexão Wi-fi tem uma limitação física, já que é necessária uma proximidade com o modem para conseguir utilizar a internet corretamente.


Agora que você já entendeu minimamente como funciona cada uma dessas conexões, gostaria de pensar também em como acontece a transição entre o 4G e o Wi-fi. O sinal 4G está lá, sempre disponível e sempre funcionando. Já o Wi-fi pede uma senha na conexão inicial. Depois (quando você está dentro do alcance do sinal), existe uma concorrência com o 4G tomando o lugar de outras conexões.


Traçando um paralelo com a nossa vida espiritual, sabemos que a graça de Deus está sempre disponível para nós, a qualquer momento e em qualquer lugar – assim como uma conexão 4G. Jesus pagou um preço muito alto lá na cruz para que a graça do Pai nos alcançasse. Ou seja, a graça não veio pelo meu e nem pelo seu merecimento; ela foi comprada pelo sangue de Jesus vertido no madeiro e foi-nos dada livremente – basta aceitarmos e vivermos na graça.


Já o pecado é similar a uma conexão Wi-fi, pois ele não chega de uma vez para tomar o lugar de Jesus na sua vida. O pecado vai entrando aos poucos, pedindo permissão para participar da sua vida, do seu dia a dia e da sua mente. Mas isso é tão sorrateiro, que às vezes você nem percebe que está acontecendo. Assim como o Wi-fi precisa apenas de uma conexão inicial e depois já rouba o lugar do sinal 4G, o pecado também só precisa do seu aceite no começo e depois já vira rotina, tomando conta de toda situação e isso já é o suficiente para afastar você da graça de Deus e enfraquecê-lo na fé.


Se por algum motivo você deixou a conexão com o pecado ser mais forte que a sua conexão com a graça de Deus e tomar conta da sua vida, eu oro e peço a Deus para que o ilumine, convença-o e o ajude a superar essa situação. E que você possa esquecer do pecado tão facilmente quanto é possível esquecer de uma conexão Wi-fi em um aparelho celular.